Skip to content

Por uma Igreja Adotante

O fenômeno do pertencimento é essencial para se viver de maneira inteira. E o drama do abandono, orfandade e maus tratos tem conduzido milhares de crianças e adolescentes à realidade da institucionalização e de uma espera cruel em torno do sonho de ter uma família para se chamar de sua.

 

Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 11,7% dos pretendes à adoção no Brasil buscam crianças com até um ano de idade; 0,86% é o percentual de bebês disponíveis nessa faixa etária; 63,2% dos candidatos não aceitam crianças com irmãos; 60,8% dos acolhidos não estão sozinhos nos abrigos.

 

A expectativa e a realidade colidem frontalmente no dia a dia dessas crianças e adolescentes. Não é difícil, especialmente na Igreja, encontrar famílias sensíveis e até desejosas da adoção, apadrinhamento afetivo e acolhimento familiar. Porém, o que se percebe é que ainda há um enorme desconhecimento sobre a realidade, os dados, os números e especialmente o fenômeno da institucionalização – o que significa para uma criança “crescer” em abrigos.

 

Um dos meios que entendemos ser fundamental para destruir mitos e conceitos equivocados é a formação de Grupos ou Ministérios de Adoção a partir das Igrejas Locais. Ministérios, teriam uma natureza mais focada na Igreja em si, com linguagem, programa e até mesmo formação bíblica sobre o tema, em paralelo aos princípios jurídicos, psicológicos, sociológicos e outros em torno do tema.

 

Já o Grupo de Apoio à Adoção é um serviço oferecido à sociedade a partir da Igreja. Ou seja, ele não se restringe aos membros da igreja local e tem uma linguagem mais aberta a não cristãos.

 

Seja qual for a estratégia, uma coisa é fato: adoção é um fenômeno da Graça de Deus. E nós, que fomos adotados em Cristo (Rm. 8:15) e hoje podemos dizer “Abba, Pai” não podemos ser indiferentes, como Igreja a realidade de milhares e milhares de tantos brasileirinhos (e milhões de crianças pelo mundo a fora).

 

Quer começar um grupo ou ministério? Conte conosco!

 

O fenômeno do pertencimento é essencial para se viver de maneira inteira. E o drama do abandono, orfandade e maus tratos tem conduzido milhares de crianças e adolescentes à realidade da institucionalização e de uma espera cruel em torno do sonho de ter uma família para se chamar de sua...

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on print
Print

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Mais recursos